Dicas

Precisamos conversar sobre Apneia do Sono

  • 23 de outubro de 2017
Homem Dormindo e roncando

Quem tem aquela sensação de já acordar cansado pode sofrer de um distúrbio que ainda é pouco falado por aqui: a apneia do sono. Existem diferentes estágios da apneia, mas o que caracteriza esse problema são intervalos em que a pessoa para de respirar durante a noite.

Esses intervalos sem respiração costumam acontecer diversas vezes e é comum que as pessoas nem saibam que sofrem do distúrbio, mesmo sendo um problema bastante comum entre os brasileiros.

Mas, uma vez descoberto o problema, você não precisa se preocupar, pois há tratamento. Neste post, vamos dar algumas informações fundamentais sobre a apneia do sono e também sobre os tratamentos mais recomendados. Confira!

Promoção desconto 10%

O que causa a apneia do sono?

A apneia do sono se caracteriza pela desorganização dos movimentos respiratórios. Isso quer dizer que, durante a noite, ocorre uma obstrução total ou parcial das vias aéreas, impedindo que o ar chegue até os pulmões.

Existem dois tipos principais de ocorrência do distúrbio:

Apneia obstrutiva do sono

Os músculos da garganta relaxam, fazendo com que as vias respiratórias se fechem. Por causa da falta de ar, a pessoa acorda diversas vezes durante a noite. Além disso, o problema pode provocar roncos ou até mesmo um som que lembra um sufocamento. A apneia obstrutiva do sono pode ser causada por diversos fatores, como obesidade, alterações craniofaciais e aumento das amídalas.

Apneia do sono central

Esse é um tipo menos usual e ocorre quando os músculos da respiração não recebem os comandos do cérebro para que eles se movimentem. A apneia central tem como causa mais comum a insuficiência cardíaca, mas também pode ser uma consequência de um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Como identificar a apneia do sono?

Como a apneia afeta diretamente o sono, seus principais sintomas estão relacionados às famosas noites de sono mal dormidas, como:

  • cansaço durante o dia;
  • insônia;
  • dor de cabeça;
  • irritabilidade;
  • roncos;
  • sono inconstante durante a noite.

Esses sintomas são comuns também a outros problemas de saúde que interferem na qualidade do sono, como estresse e ansiedade. Por isso, o diagnóstico preciso da apneia necessita de exames médicos específicos. O principal deles é a polissonografia noturna, realizada por especialistas em distúrbios do sono.

O exame consiste em deixar o paciente dormindo em uma clínica, enquanto é monitorado por aparelhos. A polissonografia permite a observação da atividade cerebral, dos batimentos cardíacos e outros fatores. Ao final, é gerado um relatório que informa se a pessoa passa períodos com falta de oxigenação durante a noite.

Como tratar a apneia?

Quando a apneia é diagnosticada, é necessário escolher o tratamento mais indicado para cada caso. A ideia é possibilitar o bom funcionamento das vias respiratórias. Por isso, uma das indicações mais comuns é o uso de uma máscara conectada a um compressor, que libera um ar forte o suficiente para passar pelas vias e chegar ao pulmão.

Outra opção para casos mais simples é o uso de aparelhos odontológicos, que deixam a mandíbula bem posicionada, favorecendo a entrada de ar. Para outros distúrbios, a intervenção cirúrgica pode ser recomendada, como a remoção das amígdalas e cirurgias no nariz e nas cavidades ósseas.

E, então, gostou de saber um pouco mais sobre a apneia do sono? Se você se interessa por assuntos relacionados à saúde e à qualidade do sono, confira este post sobre a sonoterapia!

Colchões Americanflex

Sem Comentários

Responder