Relaxamento

Você sabe o que é a sonoterapia?

  • 30 de junho de 2018
O que é sonoterpia

O sono é imprescindível para a manutenção da saúde e do bem-estar do corpo, além de ser essencial para diversos processos metabólicos. No entanto, ter insônia ou qualquer dificuldade para dormir é bastante comum para muitas pessoas, seja por problemas pessoais, profissionais, distúrbios ou mesmo sem algum motivo aparente

Conhecer métodos que ajudam a reverter essa situação é importante para que a pessoa não entre em um ciclo vicioso e desgastante de noites mal dormidas — o que pode causar complicações ainda mais graves para a saúde.

Sendo assim, vale a pena saber mais sobre o que é a sonoterapia, uma técnica que visa melhorar a qualidade do sono através do uso de medicamentos ou práticas que o induzem, como a hipnose.

Para entender melhor essa terapia, leia este post e tire suas dúvidas sobre o tema.

O que é a sonoterapia?

É um tratamento que induz o paciente ao estágio de sono profundo — especialmente quando ele não consegue fazer isso sozinho durante sua rotina. Então, durante esse período, ele é monitorado e avaliado por um especialista — em geral, um psiquiatra ou neurologista, em uma clínica.

Normalmente, o processo utiliza algumas técnicas, como a hipnose, e alguns medicamentos para conseguir o efeito de sono prolongado — que pode durar dias — em uma pessoa que apresenta quadro de insônia crônica, por exemplo.

Seu objetivo é despertar o descanso completo e o relaxamento das pessoas. Dependendo do nível de estresse e cansaço, algumas pessoas podem passar mais de um dia completo dormindo. Após as sessões é notável que há melhora da qualidade de vida. Além disso, durante o tratamento o médico orienta o paciente acerca de boas práticas para manter o bom sono em casa.

O tipo de procedimento utilizado depende tanto do estado do paciente quanto dos métodos que cada médico acredita e prefere. Portanto, deve ser realizado sempre com muito cuidado e sob a orientação de um profissional qualificado.

Na maioria das vezes, a dificuldade para pegar no sono é derivado de preocupações que afloram quando se deita para dormir, como problemas financeiros ou em relacionamentos. Em alguns casos, o colchão e travesseiro inadequados podem ser a causa do problema.

Qual é a origem da sonoterapia?

As primeiras referências ao método de indução ao sono datam do início do século XX. Nessa época, alguns psiquiatras testavam técnicas e substâncias para conseguir induzir seus pacientes ao sono.

Primeiramente a técnica foi empregada por fins psiquiátricos por Scottish Neil Macleod. Esse médico usou brometo de sono em alguns pacientes com distúrbios mentais, mas houve relatos de baixo impacto do procedimento e mortes. Outros médicos tentaram usar o método, porém ele foi abandonado devido a alta toxicidade, o que era imprudente.

O uso de barbitúricos (um composto que funciona como sedativo) em grandes doses começou a ser realizado com a intenção de “desligar” o cérebro para que ele fosse reprogramado, esquecendo hábitos e comportamentos indesejáveis. Essa terapia, chamada de “sono profundo”, foi desenvolvida pelo doutor Harry Bailey na intenção de tratar a depressão, a ansiedade e outras desordens psiquiátricas.

Durante o procedimento, o paciente era alimentado através de sonda e, em alguns casos, recebia choques no cérebro (eletroconvulsoterapia), muitas vezes sem o seu consentimento.

Contudo, os resultados não foram positivos, visto que muitos pacientes morreram durante o tratamento e outros se suicidaram após o seu fim. Assim, criou-se o alerta sobre a utilização dessa droga. Porém, aos poucos, a ideia foi se desenvolvendo na tentativa de ajudar pessoas que sofriam de problemas psiquiátricos.

Atualmente, há uma cautela maior e vários fatores são levados em consideração na hora de tratar a falta de sono. Dentre eles, podemos citar desde a psicoterapia, a terapia ocupacional, a meditação, a boa alimentação, o yoga e até a importância de um bom colchão e travesseiro — fundamentais para garantir uma boa noite de sono.

Para quem a sonoterapia é indicada?

Como o tratamento serve para reequilibrar o sono das pessoas, ele é recomendado para todos que já identificaram essa dificuldade na rotina e sofrem com os efeitos da falta de um sono tranquilo e revigorante.

Sendo assim, a sonoterapia pode atender tanto casos mais simples de insônia, causada por estresse, como quadros mais complexos de apneia, narcolepsia, sonambulismo, esquizofrenia, distúrbios de ansiedade e depressão.

Isso porque, durante as sessões, o sono induzido equilibra o corpo e a mente da pessoa, produz sensação de bem-estar e libera neurotransmissores essenciais para o combate de algumas desordens psíquicas.

Nesse contexto, podemos citar a serotonina, substância responsável pela sensação de boa disposição. Esse neurotransmissor também apresenta papel fundamental no tratamento de depressão e ansiedade, visto que existem fármacos que inibem a sua recaptação e o deixa disponível mais tempo para que o corpo o use. O sono funciona da mesma forma, pois uma noite bem dormida também produz essa substância essencial para o bem-estar.

Além disso, a sonoterapia também é indicada para fins diagnósticos, visto que enquanto o paciente dorme, o médico responsável poderá analisar seus batimentos cardíacos, as ondas cerebrais e outros sinais vitais importantes. Assim, é possível definir como é o padrão de sono e qual é o problema que atinge aquele paciente.

colchão ideal para você

Que tipos de benefícios são proporcionados?

O perfil mais comum de um paciente da sonoterapia é apresentar sintomas como ansiedade, estresse, angústia, tristeza, baixa autoestima, distúrbio alimentar, fobias, entre outros. Além disso, ela também pode ser indicada para quem sofre de dores musculares e articulares.

Assim, a sonoterapia provoca estados muito profundos de relaxamento, o que permite aliviar o medo, a apreensão, a dor e a solidão, por exemplo. Ainda, como são produzidos substâncias de bem-estar durante o sono profundo, a pessoa se sente mais confiante e com menos sentimentos negativos, como a raiva e o ressentimento. Por fim, há equilíbrio dos hemisférios cerebrais e harmonia das emoções.

Apesar de ser muito eficaz, a sonoterapia deve ser usada como tratamento complementar para outros métodos prescritos pelos médicos, e nunca substituindo-os.

Desse modo, é importante considerar o acompanhamento de profissionais de várias áreas, como a psiquiatria, psicologia, nutrição, neurologia e fisioterapia. Além disso, é preciso ter em mente que a quantidade de sessões para um efeito eficaz varia conforme o organismo de cada pessoa, sendo que normalmente uma sessão apenas não é suficiente.

Ao procurar profissionais de confiança o problema será tratado de maneira eficaz, trazendo benefícios para a qualidade de vida e para a saúde geral do paciente — não apenas devolvendo as suas boas noites de sono.

E então? Gostou de saber o que é a sonoterapia? Cuide do seu bem-estar e não deixe que uma rotina corrida e estressante prejudique a sua saúde! Para ajudá-lo nessa missão, leia nosso post sobre como aliviar o estresse.

Colchões Americanflex

Sem Comentários

Responder