Convidados Dicas

Entenda tudo sobre selos de qualidade para colchões

  • 27 de outubro de 2017
Laboratório Americanflex

Qualidade do sono e qualidade de vida são dois conceitos que andam de mãos dadas. Enquanto colocamos a mente e o corpo para descansar, o organismo continua trabalhando em tarefas fundamentais para nossa saúde.

Por isso, o momento do sono deve ser sagrado. E o melhor templo é um bom colchão com selos de garantia de qualidade. Se você acha que para dormir basta fechar os olhos, atenção: sua saúde pode estar em risco.

A condição dos colchões é um aspecto tão importante que é alvo da análise de órgãos públicos e privados, como o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e o Instituto Nacional de Estudos do Repouso (INER).

No post de hoje, vamos explorar o assunto dos selos e tirar todas as dúvidas a respeito. Vamos lá?

Promoção desconto 10%

1. O que são os selos de garantia de qualidade de um produto?

Quando você compra qualquer artigo, tem a expectativa de que ele vá atender às suas necessidades e que não vá prejudicar sua saúde de nenhuma forma. No caso de itens de uso duradouro e contínuo, essa preocupação deve ser ainda maior.

O caso dos colchões é um ótimo exemplo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda uma média de sete a nove horas de sono por dia. Isso significa que o seu colchão é o lugar onde você passa aproximadamente 33% de todo o seu tempo.

Com esse dado em mente, não é difícil enxergar como um produto de má qualidade pode gerar diversos problemas — dores na coluna e no pescoço, distúrbios do sono (ronco e apneia) e até insônia, que está ligada a transtornos, como a ansiedade e a depressão.

Para garantir que esses artigos atendam às necessidades básicas a que se propõem, surgiram os selos de garantia de qualidade. São certificações que atestam que o produto foi feito de acordo com as exigências mínimas, para garantir que o item não apresenta nenhum risco à saúde do usuário.

Para obter o selo de garantia de qualidade, o artigo precisa ser submetido a todos os testes determinados pelos órgãos competentes. Essas provas analisam parâmetros como segurança, potenciais riscos para a saúde, impacto econômico e diversos outros critérios.

2. Quais são os principais selos de garantia de qualidade que um colchão deve ter?

De acordo com a legislação vigente, o único selo de garantia que os colchões são obrigados a possuir é o do Inmetro. Sem ele, o artigo encontra-se em situação ilegal.

No entanto, quando o assunto é relacionado a colchões, o consumidor deve observar também se o item possui as certificações do INER (Instituto Nacional de Estudos do Repouso). Apesar de não ser um órgão do governo, essa organização é uma autoridade na avaliação e na análise dos produtos relacionados ao sono, como os diferentes tipos de camas, colchões de molas, de espuma e também travesseiros.

3. Qual a função do Inmetro?

No Brasil, o Inmetro é o principal órgão de certificação de produtos e é uma autarquia federal — ou seja, um órgão com total independência para decidir. O Inmetro tem a missão de “prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através da metrologia e da avaliação da conformidade, promovendo a harmonização das relações de consumo, a inovação e a competitividade do País”, de acordo com o próprio site do Instituto.

A autarquia foi criada em 1973 e possui uma série de atribuições. Algumas delas são:

  • fazer cumprir as políticas de metrologia e qualidade vigentes em todo o território nacional;
  • assegurar o cumprimento das normas técnicas e legais que se referem às unidades de medida, aos métodos de medição, às medidas materializadas, aos instrumentos de medição e também aos produtos pré-medidos;
  • zelar pelos padrões das unidades de medidas. O órgão também se responsabiliza pela implementação e manutenção de uma cadeia de rastreabilidade de todos os padrões de unidades de medida do Brasil;
  • incentivar o uso das técnicas que garantem a gestão da qualidade nas empresas do país;
  • planejar e colocar em ação as atividades de acreditação das instituições responsáveis pela calibração e pelos ensaios de qualidade, dos provedores de ensaios de competência, dos órgãos de certificação e inspeção. Também é responsável pelo treinamento das equipes desses laboratórios.

Os selos do Inmetro

Todas essas atribuições se tornam mais visíveis para a população por meio dos selos de garantia de qualidade do Inmetro. Se um produto possui o selo, significa que ele passou por todos os testes e atendeu às normas técnicas determinadas pelo Instituto.

O órgão possui dois tipos de certificação: a compulsória e a voluntária.

Certificação voluntária

Normalmente, as empresas escolhem passar ou não por todo o processo, de acordo com os benefícios que a posse do selo podem trazer para o negócio — em termos de reputação e confiabilidade. O site do instituto possui uma lista completa com os produtos e serviços da certificação voluntária.

Certificação compulsória

Já nas certificações compulsórias, entram os produtos que devem, obrigatoriamente, passar pela análise dos critérios garantidores da qualidade. Nesses casos, uma empresa só pode começar a produzir e comercializar os produtos depois da certificação. Os requisitos obrigatórios são definidos por uma portaria específica do próprio Inmetro, que estipula, também, os prazos para se adequar ao regulamento.

Normalmente, as certificações compulsórias devem ser obtidas para artigos cuja qualidade tem impacto direto na saúde e no bem-estar dos usuários. Há uma lista completa desses itens no site do Inmetro, mas alguns exemplos são brinquedos para crianças, eletrodomésticos e, claro, os colchões.

No Brasil, a Americanflex foi a primeira empresa a conquistar os selos de garantia do Inmetro. A portaria de certificação das camas de espuma é de 2011, e a de mola, mais recente, foi publicada em 2016.

colchão ideal para você

4. O que uma empresa precisa ter para ser qualificada pelo Inmetro?

O selo de qualidade do Inmetro é uma certificação que precisa obedecer a uma série de requisitos técnicos, de segurança e de qualidade. Para cada tipo de colchão — de espuma ou de molas —, as exigências do instituto são diferentes.

Colchões de espuma

Apesar de ter sido publicada em 2011, a portaria que regulamenta as exigências dos colchões de espuma só entrou em vigor em agosto de 2013. As empresas do ramo tiveram 30 meses para adaptar suas produções às novas exigências, e o selo foi encarado como uma conquista para o setor. Sem uma norma específica para esse tipo de produto, muitos colchões de espuma vendidos no Brasil apresentavam inconformidades.

Os parâmetros usados pelas fabricantes incluíam a certificação do INER e também as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que define os critérios mínimos de qualidade para os colchões. A portaria do Inmetro estabelece os requisitos básicos que o colchão de espuma deve possuir para receber a certificação do instituto.

A empresa que deseja comercializar colchões pode optar entre dois modelos de análise de seus artigos. O primeiro deles é por meio de auditorias realizadas na empresa. Um representante do Organismo de Certificação do Produto (OCP), certificado pelo Inmetro, vai até a empresa em diferentes momentos para avaliar não só o colchão, mas também o processo de fabricação, a segurança das técnicas e processos, além da qualidade dos materiais utilizados.

Além disso, os produtos também podem ser avaliados por meio de amostragem retirada de um lote. Com base em alguns dados, como volume de produção, o OCP define uma amostra estatisticamente relevante de artigos a serem analisados.

Essa amostra será um espelho de toda a produção, refletindo a qualidade dos colchões que saem da fábrica para o comércio. Nesses testes, são analisados quesitos como densidade das espumas, tipo de espuma utilizada e toxicidade. Também são feitos testes de pressão, resistência a rasgos e outros processos.

Colchões de mola

A certificação dos colchões de mola no Brasil é bem mais recente. A portaria que regulamenta a fabricação desse tipo de produto foi publicada em 2016. Em janeiro de 2017, as fábricas já não podiam mais produzir camas de molas sem atender aos critérios da portaria. E as lojas não poderão mais comercializar colchões sem o selo a partir de 2019.

O documento define como devem ser os produtos, quais materiais podem ser usados, as medidas que devem ser respeitadas e a estrutura mínima necessária que o item deve possuir.

Além disso, ficou estabelecido que esses artigos devem conter uma etiqueta com algumas informações básicas. Nesse rótulo, deve constar:

  • a composição têxtil;
  • os dados sobre a estrutura interna (tipos de espuma utilizada, densidade, espessura);
  • dados sobre o molejo (qual sistema de molas é utilizado, número de molas por m2, a espessura do fio e o suporte médio);
  • tipo de bordas;
  • isolantes (feltros usados para isolar as molas).

Os processos de certificação dos colchões de molas são os mesmos daqueles estabelecidos para os colchões de espumas. Ou seja, essa avaliação pode ser feita por meio de auditorias na fábrica em diferentes momentos da produção ou por análise de amostragem.

5. Quais os benefícios de utilizar colchões com selo do Inmetro?

Relatos do setor hoteleiro, o maior consumidor de colchões e também um grande interessado na normatização da produção desses itens, contam fatos assustadores sobre colchões fabricados antes da publicação dessas portarias regulatórias.

“Sem fiscalização, era comum encontrar fábricas de fundo de quintal vendendo espumas com densidade 23 como se fossem 33. E, para chegar ao peso, alguns fabricantes colocavam outras matérias-primas, como pneus picados, restos de solas de sapatos, papelão, entre outros”, diz uma matéria da revista Hotéis, publicação que é referência em hotelaria.

Além dos quartos de hotéis, esses colchões sem o mínimo de qualidade também eram comprados por milhares de consumidores para suas residências. Isso colocava em risco a saúde de um número muito grande de pessoas.

O selo de garantia do Inmetro surgiu como uma forma de acabar com essas práticas, que, antes, não tinham como ser punidas. Hoje em dia, uma fábrica de colchões sem o selo do Inmetro é considerada clandestina.

Comprar um colchão com a certificação de qualidade, portanto, significa levar para casa um produto que, de fato, cumpre com as obrigações legais. No seu dia a dia, isso representa muito mais saúde, bem-estar e a certeza de não ter algum problema causado pelo produto que você comprou.

Um colchão certificado é um passo mais próximo de uma noite de sono reparador, capaz de regenerar seu corpo e sua mente.

6. O que é o INER?

Se você chegou até este ponto de nosso artigo, já entendeu que o Inmetro é o órgão federal responsável pela fiscalização e garantia de qualidade dos colchões produzidos no Brasil. No entanto, há uma outra organização que todas as empresas de colchões sérias respeitam, o Instituto Nacional de Estudos do Repouso (INER).

Essa instituição surgiu em 1984 pela iniciativa da própria indústria de colchões. Um grupo de empresas do ramo sentiu a necessidade de criar uma associação sem fins lucrativos para normatizar e fiscalizar os produtos, regulamentando, ela mesma, o mercado. Johnny Jardini, fundador da Americanflex, foi um dos principais envolvidos na criação do INER.

O objetivo era, em última instância, oferecer ao consumidor um artigo de maior qualidade e evitar aberrações como aquelas de itens fabricados sem o menor critério e ética.

Por esse motivo, o instituto conduziu uma série extensiva de pesquisas orientadas por médicos e técnicos. O estudo mapeou pessoas de diferentes tipos físicos deitadas em colchões (na época, de espuma). Foi esse trabalho o responsável por revelar que uma pessoa deitada de lado deve ficar com a coluna reta, anatomicamente.

Tal descoberta permitiu concluir que cada tipo físico de uma pessoa, ou cada biótipo, precisa de um tipo diferente de colchão, com densidade maior ou menor, a depender do peso e da altura. A partir disso, foram criados os critérios do INER para a certificação dos colchões.

Funções do instituto

Atualmente, o INER continua com as funções de normatizar, certificar e testar a qualidade dos colchões vendidos no Brasil. A empresa realiza análises regulares em amostras, para garantir que a qualidade seja mantida ao longo dos anos.

Desde 2011, além de fiscalizar colchões, a organização também desenvolveu selos de garantia para travesseiros e estofados. Os travesseiros, porque são os companheiros inseparáveis do sono, tanto quanto o colchão. E os estofados, pois também são móveis relacionados à manutenção de uma boa postura — e podem interferir na saúde.

Além das fiscalizações, o instituto criou a Tabela de Biotipo. Esse documento contém a indicação da densidade de espuma mais indicada para cada tipo de corpo, de acordo com o peso corporal e também se a cama é utilizada por uma ou duas pessoas.

Objetivos

Os objetivos da organização hoje, mais de 30 anos depois de sua fundação, continuam os mesmos de quando ela foi criada: garantir que, no mercado, sejam oferecidos apenas produtos de alta qualidade.

Uma vez que as condições do colchão têm um impacto direto sobre a saúde do indivíduo, é possível afirmar que o INER é uma instituição que preza pela manutenção da qualidade de vida e do bem-estar dos consumidores.

Certificações

Em 1984, quando foi criado o INER, os colchões mais usados — e os mais fáceis de encontrar no mercado brasileiro — eram os de espuma. Dessa forma, a primeira certificação criada pelo Instituto foi para esse tipo de produto. Hoje, a organização também certifica os colchões de mola. Veja cada um dos selos:

Certificado de Qualidade Pró-Espuma

A norma criada pelo INER para os colchões de espuma, ainda na década de 1980, foi inovadora. Não havia, no Brasil, uma regulamentação para esse tipo de produto, e a adoção desse certificado de qualidade foi um marco.

Por se tratar de uma organização especializada no segmento de colchões — e que conta com o apoio e o respaldo da própria indústria, principal interessada em diferenciar os produtos de maior qualidade daqueles inferiores —, as normas do INER são ainda mais rigorosas do que aquelas estabelecidas pelo Inmetro.

No caso da resiliência (característica relacionada à elasticidade da espuma), o percentual exigido pelo INER é mais de 10% superior daquele exigido pela portaria do Inmetro. As exigências quanto ao percentual de fadiga também são maiores, assim como aquelas para a perda de dureza (qualidade relacionada à manutenção das características iniciais da espuma).

Ou seja, a associação realiza testes sérios e com normas mais rígidas do que aquelas requisitadas pelos órgão oficiais. Isso se reflete em uma maior durabilidade do colchão. Tudo isso quer dizer somente uma coisa: os colchões com selo de Qualidade Pró-Espuma, como os da Americanflex, são produtos de primeiríssima linha, já que obedecem a critérios ainda mais severos de avaliação.

Certificado de Qualidade Pró-Molas

Para acompanhar as tendências do mercado — e uma maior inserção dos colchões de molas nas residências brasileiras —, em 2004, o INER criou uma norma técnica para esse tipo de produto e seu respectivo selo de qualidade com o objetivo de certificá-los.

Como acontece com os artigos de espuma, as exigências para os colchões de molas também são maiores do que aquelas ditadas pelas normas técnicas do Inmetro.

Para cada tipo de molejo — bonnel ou ensacadas —, devem ser especificados a bitola (espessura) do arame e o número de molas por metro quadrado. São essas as características que ditam a densidade do colchão.

Além da diferença entre o sistema de molejo, as camas de molas podem ter uma ou duas faces. Ou seja, elas podem ter estofamento com espuma em somente um dos lados ou em ambos os lados, permitindo ao usuário virar seu colchão de tempos em tempos.

A densidade mínima exigida pelo INER para a espuma do estofamento é maior do que a determinada pela portaria do órgão público. Enquanto o INER determina que a espuma tenha densidade mínima D28, as normas brasileiras estipulam que pode ser usada a D26 (um pouco mais macia).

Por isso, mais uma vez, os colchões com selo de garantia do INER são produtos de qualidade superior, comparando com aqueles que só possuem a certificação obrigatória do Inmetro.

Testes

O INER testa e fiscaliza somente os colchões das empresas associadas ao instituto. Nesses casos, porém, os artigos são avaliados desde a produção até a venda direta ao consumidor. Os testes físicos são realizados no Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) de Curitiba, no Paraná.

Os testes são feitos regularmente e de modo aleatório, para garantir a imparcialidade. Todos os meses, uma equipe especializada do INER visita lojas em todo o Brasil. Nelas, são adquiridos colchões de molas e de espuma, travesseiros e móveis com estofados, todos certificados pelo instituto.

Essas amostras são lacradas pelos técnicos e enviadas para o laboratório em Curitiba, onde são conduzidos todos os testes necessários. No centro de exames, tanto os colchões de espumas quanto os de molas passam por análises específicas e criteriosas.

No site do INER, há informações detalhadas sobre todas as provas a que os colchões devem ser submetidos. De modo geral, são medidos parâmetros como elasticidade, resiliência, suporte de carga, resistência ao rasgo, fadiga e durabilidade. Todos esses critérios têm como objetivo garantir que o consumidor final receba um produto que proporciona satisfação e um bom descanso.

Muitas pessoas não têm ideia de que tanta tecnologia e controle estão envolvidos na produção de um colchão. A maioria se joga para descansar depois de um dia pesado de trabalho sem dar muita atenção para aquela estrutura calculadamente macia que suporta bem o seu peso e posiciona adequadamente o seu corpo para as horas de sono.

Quais as cantagens de um colchão certificado?

Um bom colchão pode ser a diferença entre ter ou não qualidade de vida, entre ter ou não dores na coluna, entre conseguir ou não um sono reparador. É exatamente por isso que os selos de garantia foram criados.

Com esses documentos, é possível ter a certeza de que determinado produto é o mais indicado para você. Assim, preste bastante atenção quando for comprar o seu próximo colchão e nunca abra mão dessas certificações! Então, além do selo do Inmetro, procure pelos certificados do INER.

Agora que você já conhece a importância de ter um colchão certificado, visite a nossa loja online e escolha o seu próximo templo para noites de um sono rejuvenescedor!

Colchões Americanflex

Sem Comentários

Responder